Tão simples

📷 Pinterest

Em busca de palavras

Para representar

O cheiro desta noite.

O mar parece próximo

Caminho devagar

Ao teu encontro.

Fresco faz o vento

Teu cabelo balançar

Tudo tão simples.

Enquanto te abraço

Sinto a lua me olhar

Um acordado sonho.

Aru Lapolli

Vida palimpsesta

Fonte: Pinterest

Aprendi palavra nova

sobre coisa antiga

“palimpsesto”

pergaminhos apagados

pelos copistas

na Idade Média

para escrever de novo

e novamente

sobrepondo histórias

e referências.

Escrever, pensando bem

é arte de sobrepor

a referência que tenho

tem fundamento em outro autor

e assim sucessivamente

influência e inspiração

sobrepõem-se no meu pensamento

e na minha expressão.

A vida é palimpsesta

escrevemos nossa história

apagamos ali e aqui

ressignificamos

e recomeçamos

Tudo que estava escrito

compõe essa grande poesia

que é a história de cada um

pergaminhos que somos

apagados

reescritos

recomeçados.

Aru Lapolli

Sentidos

Fonte: Pinterest

Sentido pode ser um caminho
Ou mesmo cautela
Precaução

Talvez um ressentido
Cheio de mágoa
Indignação

Sentido é discernimento
Mas ainda é lógica
Ou consideração

Pode ser um propósito
Alguma percepção
E até orientação

E, mais importante
Sentido é sentir
O que está no coração.

Aru Lapolli

Consciência Negra

Fonte: Pinterest

É tempo de descolonização

De escrever uma nova época

Que não seja mera continuidade

Da escravidão eterna.

Séculos de dor de um povo

Estão nas entranhas da história

Cansadas dessa náusea antiga

Encontram no hoje nada de novo.

A morte dos meninos pretos

O abuso de meninas pretas

Mulheres, crianças, homens

Considerados menos gente.

Notícias todos os dias

De corpos destroçados pela crueldade

De corpos aprisionados pela cultura genocida

De um extermínio em andamento.

O racismo é um pilar

Dessa (não)civilização

O objetivo é higienizar

Sufocar, tragar, engolir.

Nossos irmãos negros

São muito mais do que fortes

São bem além de guerreiros

Eles são livres.

A pretensa supremacia branca

Escrava de si mesma

Não enxerga nada além da cor

E do preconceito.

A humanidade agrilhoada

Pensando-se moderna

Segue reproduzindo (des)valores

E se repetindo em barbáries.

O povo negro, sem arrogância

Segue tentando ensinar o óbvio

Que não haverá paz nessa terra

Enquanto prevalecer o ódio.

Essa permanente aflição

Continuará a comprovar

Que nunca houve evolução

Mas uma sucessiva aniquilação.

Aru Lapolli

Todo o tempo do mundo

Fonte: Pinterest

De repente uma manhã tão cinza

Não vejo o sol por mais que eu queira

Lembro daquela música da adolescência

E não me sinto tão jovem assim

Temos todo o tempo do mundo?

Já não há mais tantos dias, enfim

De fato, a consciência da finitude

É a maior virtude do fim.

Aru Lapolli

Clandestina

Fonte: Pinterest

Parecia só (mais) uma diversão,
não tinha eu pretensão alguma.
Criou-se entrelaçada confusão,
e de (mera) satisfação, virou celeuma.

Vieste também despretensioso,
e tornaste fugazes meus dias.
Ao seres assim, voluntarioso,
passei a perscrutar o que querias.

Que buscavas com todo esse enredo
de acabar com a (tão) enfadada rotina?
A tua, a minha, com este ar de segredo
e tornar a (nossa) existência clandestina?

Tão rapidamente quanto surgiste,
desapareces e mal encontro teu olhar.
De relance, em meio ao (meu) tédio agiste
e agora, pretendes apenas parar.

Aru Lapolli

Festa da Democracia?

Hoje é dia da Proclamação

da República das Bananas.

Cá estamos nós, na votação,

talvez acreditando em chicanas.

A extrema-direita, sem razão,

nega chafurdar na lama.

O melhor caminho da nação

é voltar à moderação, sem drama.

Aru Lapolli

Demasiado Humanos

Fonte: Pinterest

Humanos são demasiado volúveis

Um dia buscam aconchego

No outro, alguma liberdade

Como se coisas excludentes fossem.

Humanos são também difíceis

Pensam que querem algo

Mas deixam de lidar com a verdade

De que simplesmente não se conhecem.

Humanos, porém, são vulneráveis

Sem pestanejar, buscam afago

Idealizam uma sincronicidade

E imersos em fantasias, perecem.

Humanos, fingindo-se amáveis

Deixam fluir um sabor amargo

Ao desdenhar da possibilidade

Do amor que não compreendem.

Aru Lapolli

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora